Bolsonaro deve se encontrar com ministro do Turismo nesta semana, mas não cogita demissão

  • Por Jovem Pan
  • 02/07/2019 06h24 - Atualizado em 02/07/2019 09h55
Dida Sampaio/Estadão ConteúdoUm assessor especial e dois ex-auxiliares do ministro do Turismo foram indiciados por participação no suposto esquema de candidaturas laranjas do PSL-MG

A Polícia Federal indiciou nesta segunda-feira (1) sete pessoas por participação no suposto esquema de candidaturas laranjas do PSL em Minas Gerais.

Foram indiciados um assessor especial e dois ex-auxiliares do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, além de quatro candidatas a deputada estadual e federal nas eleições do ano passado.

Os envolvidos foram indiciados pelos crimes de falsidade ideológica, emprego ilícito do fundo eleitoral e associação criminosa. O inquérito agora vai ser enviado para o Ministério Público, que pode ou não apresentar denúncia.

Segundo o porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, Bolsonaro deve se reunir com o ministro, Marcelo Álvaro Antônio, na próxima quarta (3) ou quinta-feira (4), mas não há pretensões de tirá-lo do cargo.

Nesta segunda-feira o juiz Renan Chaves Carreira Machado, da 26ª Zona Eleitoral de Belo Horizonte, mandou soltar o assessor especial do ministro do turismo, Mateus von Rondon, e os ex-assessores Roberto Soares e Haissander Souza.

Desde a última quinta-feira (27) eles estavam presos no âmbito da operação Sufrágio Ostentação, que investiga as supostas candidaturas laranjas do PSL. Segundo o Tribunal Regional Eleitoral, o juiz entendeu que a prisão temporária, que dura 5 dias, cumpriu os objetivos.

*Com informações do repórter Afonso Marangoni