Bolsonaro e governadores discutem nesta quinta pacote de ajuda

  • Por Jovem Pan
  • 21/05/2020 06h09 - Atualizado em 21/05/2020 08h02
Marcos Corrêa/PRBolsonaro pretende sancionar o projeto de ajuda financeira aos estados e municípios que foi aprovado pelo Congresso

Os governadores de 25 estados se reuniram na quarta-feira (20) virtualmente para se preparar para o encontro de logo mais com o presidente Jair Bolsonaro. Ele tem feito duras críticas aos governantes estaduais por causa das medidas de isolamento.

O presidente defende a necessidade da volta á normalidade para o país não quebrar. Até por isso, as discussões sempre se tornam mais acaloradas quando todos se sentam para conversar.

O governador de São Paulo, João Doria, ressaltou na entrevista coletiva desta quarta que os estados querem retomar o diálogo num clima mais ameno e sem problemas.

Bolsonaro pretende sancionar o projeto de ajuda financeira aos estados e municípios que foi aprovado pelo Congresso e quer o apoio dos governadores para vetar a possibilidade de reajuste para alguns categorias antes de dezembro do ano que vem.

O governo argumenta que o orçamento está cada vez mais apertado por conta dos gastos com o enfrentamento à pandemia da doença causada pelo novo coronavírus.

O ministro do STJ, Rogério Schieti, afirmou que o país está desgovernado na área de saúde — sem ministro da área há quase uma semana. Ele ainda criticou o presidente Jair Bolsonaro ao afirmar que, num momento como este, ele deveria deixar de lado suas opiniões pessoais, seus antagonismos políticos e questões familiares em prol da construção de uma unidade nacional.

No Ministério da Economia ninguém esconde a tensão em torno do combate à doença, mas em meio às mudanças no primeiro escalão do governo o secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, Carlos da Costa, afirmou que Paulo Guedes segue firme na condução da política econômica.

Carlos da Costa evitou comentar possíveis decisões de estados em torno de medidas de isolamento agora na pandemia e ressaltou apenas que nesse momento é preciso buscar o consenso.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin