Bolsonaro espera assinar pelo menos 10 acordos comerciais em viagem à Índia

  • Por Jovem Pan
  • 18/01/2020 08h16
Isac Nóbrega/PRAinda há expectativa de que os governos entrem em acordo e Bolsonaro anuncie a isenção de visto para indianos

O presidente Jair Bolsonaro embarca para a Índia no fim do mês com o objetivo de fechar acordos e melhorar a relação comercial com o país. A viagem faz parte da estratégia do governo de ampliar os negócios com os asiáticos — que formam um mercado valioso para alimentos, energia e commodities.

A Índia é, de fato, um parceiro promissor. O país cresceu uma taxa de 7% ao ano ao longo da ultima década, dobrou a renda per capta e deve ultrapassar a china como pais mais populoso do mundo nos próximos 10 anos.

As expectativas é de que sejam fechados entre 10 e 12 acordos em áreas como segurança cibernética, saúde, previdência, energia e comércio. O presidente Bolsonaro terá reuniões com CEOs de grandes empresas indianas e um grande seminário para apresentar o que o governo chama de Novo Brasil.

O secretario de negociações bilaterais na Ásia, Pacifico e Rússia, embaixador Reinaldo José de Almeida Salgado, explicou que a ideia é mostrar que o Brasil está conseguindo fazer as reformas necessárias para atrair investimentos.

Ainda há expectativa de que os governos entrem em acordo e Bolsonaro anuncie a isenção de visto para indianos. O objetivo é facilitar a entrada de turistas e empresários que vem para cá para fechar negócios.

O presidente deve viajar ao lado de seis ministros — mas a lista pode aumentar. A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, viaja antes para começar a costurar acordos comerciais.

Bolsonaro desembarca em Nova Dheli em 25 de janeiro — quando se reúne com o primeiro-ministro e presidente locais. No dia seguinte ele foi convidado para participar do Dia da República. Depois, serão realizados encontros com empresários e o seminário.

É bom lembrar que a iniciativa de Bolsonaro ocorre ao mesmo tempo em que a relação do Brasil com a Argentina — até então maior parceiro — se deteriora.

*Com informações do repórter Antônio Maldonado