Bolsonaro: ‘Meu partido é o Brasil’

  • Por Jovem Pan
  • 12/10/2019 11h13
Marcos Corrêa/PRO presidente participou da cerimônia de integração do submarino Humaitá

Apesar de falar pouco, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) mandou vários recados nesta sexta-feira (11) durante a cerimônia de integração do submarino Humaitá, que aconteceu no Complexo Naval de Itaguaí, Rio de Janeiro. Em um discurso de menos de cinco minutos, ele falou sobre a crise no PSL, o governador do Estado, Wilson Witzel (PSC), e seus oponentes políticos.

Sobre o momento conturbado que vive dentro de sua legenda, Bolsonaro afirmou, categoricamente, que o seu “partido é o Brasil”. “Como político, digo a vocês: o nosso partido é o Brasil. Temos inimigos dentro e fora do Brasil. Os de dentro são os mais terríveis, os de fora nós venceremos com tecnologia, disposição e meios de dissuasão”, disse.

Ao falar sobre os inimigos, o presidente pareceu falar sobre Witzel, que estava no palco principal e que foi eleito, no ano passado, graças ao fenômeno do bolsonarismo. Bolsonaro disse que espera que seu futuro sucessor, através de conceitos “éticos, morais e sem covardia”, consiga administrar um país melhor do que o que ele recebeu.

“Trabalho para que, no futuro, quem, porventura, de forma ética, moral e sem covardia, um dia venha a assumir o destino da nação, encontre a nossa pátria em uma situação bem melhor do que encontrei quando assumi no corrente ano”, continuou.

O ministro da Defesa, Fenando Azevedo e Silva, também esteve no evento e sinalizou que a atuação das Forças Armadas no combate aos focos de incêndio na Amazônia não deve ser prorrogada, terminando em 24 de outubro. Segundo ele, em setembro, o mês mais critico para as queimadas, houve uma redução de 20% em relação a agosto deste ano.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga