Bombeiros encontram corpo de criança nos destroços do Paissandu

  • Por Jovem Pan
  • 08/05/2018 08h00 - Atualizado em 08/05/2018 08h53
Rovena Rosa/Agência BrasilAinda há pequenos focos de incêndio no subsolo do prédio que desabou perto do Largo do Paissandu

Os bombeiros encontraram mais uma vítima do desabamento de prédio no centro de São Paulo. No oitavo dia de buscas, a corporação também elevou para oito o número oficial de desaparecidos na tragédia do edifício Wilton Paes de Almeida.

O trabalho de retirada dos escombros será feito com mais cuidado nas próximas horas em busca de outras vítimas.

O porta-voz do Corpo de Bombeiros, capitão Marcos Palumbo, relata como foi o trabalho nas primeiras horas desta terça-feira (8).

“Agora de manhã, às 6h30, numa escavação manual, foi localizado o corpo de uma vítima de pequeno porte, podendo ser de uma criança”, disse. “As equipes estão agora intensificando as buscas no local porque há indícios de que outras vítimas possam ser encontradas na região”, explicou o bombeiro. “Infelizmente elas tinham sinal de carbonização”.

Duas crianças eram procuradas na tragédia, os gêmeos Welder e Wender, de 9 anos, filhos de Selma, também considerada desaparecida.

Os bombeiros continuam tendo a ajuda de cães farejadores na procura por pelo menos seis vítimas.

O cabo Gerson Ferreira explica que os animais só podem atuar depois que as máquinas retiram e resfriam as lajes da construção. “Ainda há um pouco de fogo embaixo, no subsolo. A máquina está ajudando a retirar essa laje pesada. Tem muita viga ainda. Conforme eles vão retirando, a gente ‘passa’ os cães para ver se tem algum indício”, narrou.

Em declaração ao repórter Tiago Muniz, o tenente Guilherme Derrite confirmou que o Corpo de Bombeiros localizou pertences pessoais numa determinada região e a partir dali os trabalhos se intensificaram. Segundo Derrite, a ação foi inteiramente manual porque havia um vazamento de gás, o que prejudica o faro dos cães. “Nesse ponto não foi o cão. Os bombeiros trabalhavam num ponto em que havia um vazamento de gás, o que atrapalha o faro do animal. Foi mesmo a perspicácia dos bombeiros. Quando localizamos um corpo param-se os trabalhos com as máquinas e prioriza-se o trabalho manual. É algo bem minucioso”, explicou o tenente.

Derrite confirmou ainda que os pequenos focos de incêndio foram contidos, uma vez que não há mais fumaça no local. “O trabalho de resfriamento obteve grande sucesso e agora o trabalho dos bombeiros e dos cães torna-se mais favorável”, disse o tenente.

Causas

De acordo com o secretário da segurança pública, a maioria das testemunhas ouvidas até agora apontou a mesma causa para o início do incêndio.

Mágino Alves Barbosa Filho reforça a Tiago Muniz que a investigação trabalha principalmente com a possibilidade de curto-circuito.

“São testemunhas que assistiram ao início do incêndio e contam que ele teria ocorrido por um curto-circuito, mas a investigação vai prosseguir”, explicou Mágino, sem descartar

O secretário confirmou ainda que a arcada dentária encontrada no domingo pertencia à primeira vítima confirmada da tragédia.

Os restos mortais de Ricardo Oliveira Galvão Pinheiro, de 39 anos, foram enterrados na sexta-feira (4).