Brexit entra em semana decisiva enquanto May tenta conseguir apoio para acordo com europeus

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 16/10/2018 08h58
EFEA imprensa britânica afirma nesta terça-feira (16) que as próximas 48 horas serão decisivas para o Brexit

O Brexit entrou em uma semana decisiva que, no pior dos cenários, pode terminar o Reino Unido procurando um novo primeiro-ministro. Theresa May está sofrendo com fogo amigo de todos os lados. Em casa, ninguém aceita as propostas dela para o divórcio europeu.

Na Europa, Alemanha e França olham para o relógio e balançam a cabeça negativamente para as ideias da primeira-ministra. Por isso, a imprensa britânica afirma nesta terça-feira (16) que as próximas 48 horas serão decisivas para o Brexit.

May tenta conseguir apoio em casa para seu plano de manter o Reino Unido parcialmente dentro da união aduaneira europeia. Na prática, seria uma espécie de traição ao voto pró-separação já que ele pregava justamente a retomada do controle comercial no país.

A questão é que os europeus também não querem isso. E no meio do caminho está a fronteira entre as Irlandas.

A República da Irlanda, filiada a União Europeia, e a Irlanda do Norte, parte da Grã Bretanha, que dividem a mesma ilha.

Após o divórcio algum tipo de controle nessa fronteira – hoje invisível – terá que ser implementado, sob o risco de recriar um conflito sangrento.

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse ontem que a possibilidade de um acordo parece mais difícil, embora ainda acredite nele.

Emmanuel Macron também mantém o tom de acreditar num entendimento, ainda que ele pareça improvável.

O fato é que burocraticamente está claro que o impasse não será resolvido. Será necessário algum tipo de malabarismo político que os líderes da região buscam encontrar na reunião de cúpula que começará amanhã.

Os britânicos votaram em um referendo cercado por mentiras e falsas promessas em 2016. Agora a dor de cabeça para manter a decisão tomada nas urnas está sendo proporcionalmente igual.