Burocracia é responsável pelo adiamento de investimentos no Brasil

  • Por Jovem Pan
  • 09/10/2019 07h29
Ricardo Almeida/ANPrNa cidade de Salto, em São Paulo, um depósito de 4 mil metros abriga documentos que precisam ser armazenados por, no mínimo, 30 anos

Após um ano de discussões em torno da reforma da Previdência, o setor produtivo brasileiro clama por alterações tributárias. O setor não sonha com reduções expressivas na altíssima carga – para favorecer a competição internacional.

O imaginável passa pela simplificação da burocracia em um modelo que se notabiliza por uma profusão de normas, exigências e prazos longos.

Um bom exemplo do que o empresário atravessa em relação à burocracia é a quantidade de papéis guardados. Na cidade de Salto, em São Paulo, um depósito de 4 mil metros abriga documentos que precisam ser armazenados por, no mínimo, 30 anos.

O superintendente das Lojas CEM, José Domingos Alves, explica o impacto no setor varejista. “Isso custa, além do espaço físico, pessoas para cuidar disso. Você tem que catalogar tudo e, quando coloca na ponta do lápis, temos noção de quanto poderíamos investir em outras lojas, abrindo novos negócios, se não precisássemos armazenar e conservar essa quantidade de papel.”

O Governo Federal é sempre o mais lembrado, mas estados e municípios não ficam atrás na burocracia com processos de aprovação arrastados, licenças e alvarás, cobranças, além de decisões que precisam do aval da Justiça, e também demoram e atrasam investimentos.

José Domingos explica também que a empresa precisa crescer e que as Lojas CEM pretende, há um ano e meio, construir um outro depósito em uma área vizinha. Mas, até para isso, a burocracia surge. O prazo da empresa não é o mesmo que o prazo administrativo, e toda a questão fica barrada no meio jurídico.

De acordo com ele, esses empecilhos impedem o funcionamento de algumas lojas e também cortam a possibilidade da geração de novos empregos – que, segundo sua previsão, ultrapassaria 900 vagas entre construção do galpão e operação do mesmo.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos