Câmara de SP vai priorizar reforma administrativa de Covas no primeiro semestre

  • Por Jovem Pan
  • 05/02/2020 07h28 - Atualizado em 05/02/2020 08h51
DivulgaçãoTuma também ressaltou que não pretende assumir o comando da prefeitura no lugar de Bruno Covas durante a campanha eleitoral

A Câmara Municipal de São Paulo vai priorizar o projeto de reforma administrativa em 2020. Com o fim do recesso parlamentar, a casa retomou às atividades nesta terça-feira (4). O enxugamento da máquina pública, defendido pelo prefeito Bruno Covas (PSDB), é uma das pautas prioritárias e será votada ainda neste semestre.

Entre outras autarquias, a proposta pretende extinguir o Serviço Funerário, a Autoridade Municipal de Limpeza Urbana e o Departamento de Iluminação Pública.

O presidente da câmara, Eduardo Tuma, garantiu que funcionários concursados não serão demitidos. “Os cargos em comissão, que são os de livre nomeação e exoneração por indicação, esses terão diminuição. Mas os que passaram por concurso público serão absorvidos pela máquina.”

Outras propostas do poder executivo — como o Projeto de Intervenção Urbana e o Triângulo SP, que pretendem revitalizar o centro da cidade — também são prioritárias.

Para Eduardo Tuma, a intensidade das votações no 2º semestre deve diminuir com as eleições municipais, mas a continuidade dos trabalhos não será prejudicada.

Tuma também ressaltou que não pretende assumir o comando da prefeitura no lugar de Bruno Covas durante a campanha eleitoral. “O prefeito Bruno Covas está firme e forte, está no cargo. Não trabalho com a hipótese dele sair de licença. Já passou o momento mais difícil, ele continua no cargo.”

Projetos de autoria dos vereadores também devem ser discutidos. Entre eles, está o projeto de lei que quer limitar o número de carros de aplicativos na capital paulista, que deve ser votado em uma sessão extraordinária no início de março.

A proposta seria votada no final do ano passado, mas foi adiada porque não houve entendimento entre os vereadores.

*Com informações da repórter Letícia Santini