Câmara instala na semana que vem CPI para investigar manchas de óleo

  • Por Jovem Pan
  • 16/11/2019 08h42
Adema/Governo de SergipeAs manchas de óleo já chegaram, ao menos, a 500 locais no Nordeste e no Sudeste do Brasil e a suspeita é de que o produto tenha origem de um navio grego

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, assinou a autorização de abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que vai investigar as manchas de óleo que atingem diversas praias no Brasil. A CPI estará publicada na próxima segunda-feira (18).

A comissão foi articulada pelo deputado federal João Campos (PSB-PE), que reuniu 267 assinaturas de 25 partidos. O parlamentar avaliou que a CPI vai ajudar a punir os responsáveis pelo desastre ambiental.

“Conversamos com o presidente Maia e com todos os líderes partidários e conseguimos amplo apoio. Em respeito ao Nordeste, em respeito ao patrimônio cultural, agora a Câmara dos Deputados tem o instrumento necessário e suficiente para acompanhar esse que infelizmente é o maior desastre ambiental em extensão no nosso País”, afirmou Campos.

Apesar da adesão ao pedido, deputados do Nordeste chegaram a se dividir sobre a necessidade da CPI, pois poderia afugentar turistas.

O deputado federal Pedro Lupion (DEM-PA) avaliou que a origem do óleo precisa ser rapidamente identificada. “Ele é de algum outro país, provavelmente algum navio passando a 500 km da costa brasileira teve algum derramamento, seja na transferência de um navio para o outro ou algum incidente. Naufrágio não foi porque não tem registro em relação a isso, mas precisamos saber de onde veio”, disse.

Lupion apontou, no entanto, que as Forças Armadas estão fazendo o que podem para conter o avanço. As manchas de óleo já chegaram, ao menos, a 500 locais no Nordeste e no Sudeste do Brasil e a suspeita é de que o produto tenha origem de um navio grego.

Trinta Suspeitos

Marinha informou que o pedido para notificação de cinco navios suspeitos de bandeira grega foi apresentado às autoridades da Grécia no dia 12 de outubro. Segundo o órgão, as investigações, feitas em conjunto com a PF, com o apoio de instituições nacionais e estrangeiras, identificou 30 navios-tanque de várias nacionalidades que navegaram próximo à costa brasileira, na região de onde o óleo pode ter se espalhado. De acordo com o Centro de Hidrografia da Marinha, esse ponto inicial fica cerca de 733 quilômetros a leste do estado da Paraíba.

* Com informações da repórter Camila Yunes