Câmara volta a discutir prisão em 2ª instância depois de início de julgamento no STF

  • Por Jovem Pan
  • 28/10/2019 06h37
Pablo Valadares/Câmara dos DeputadosAinda na quarta-feira (30), o presidente do colegiado, deputado Felipe Francischini, deve tentar pautar o tema para votação

Enquanto o Supremo Tribunal Federal faz o longo julgamento das ações que pedem a revisão do entendimento da Corte sobre prisão após condenação em segunda instância, a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara também avança nas discussões sobre a PEC que trata do mesmo tema.

O objetivo da proposta é garantir o cumprimento da pena em segunda instância, independente da posição de ministros do STF.

O relatório da deputada Caroline de Toni, do PSL, é favorável à matéria e já foi lido na CCJ. Para esta semana, está marcada uma audiência pública com especialistas de diferentes posições em relação ao tema.

Ainda na quarta-feira (30), o presidente do colegiado, deputado Felipe Francischini, deve tentar pautar para votação, mas a tendência é que fique pelo menos para a semana que vem. Com isso, é possível que a CCJ vote o assunto ao mesmo tempo em que o Supremo conclui o julgamento.

Com o voto da ministra Rosa Weber, na última semana, que ditou uma tendência favorável ao STF decidir que a prisão ocorre apenas após o trânsito em julgado, deputados podem tentar acelerar a tramitação da PEC na Câmara.

Como indica a vice-presidente da comissão, deputada Bia Kicis, do PSL. “É hora do Congresso Nacional fazer a sua parte. Hora dele olhar para o povo brasileiro, que está pedindo uma solução para o seguinte caso.”

A oposição é contra o rápido andamento da proposta e conta com parte do centrão, que também tem resistência quanto ao assunto. A estratégia é obstruir os trabalhos para dificultar que a votação aconteça.

Caso seja aprovada pela CCJ, a PEC da prisão em segunda instância ainda tem um longo caminho a percorrer no Congresso, tendo que passar pelo plenário da Câmara e pelo Senado.

*Com informações do repórter Levy Guimarães