Campos Neto nega interferência em bancos com limites ao juros do cheque especial

  • Por Jovem Pan
  • 03/12/2019 07h30
Edilson Rodrigues/Agência SenadoO presidente da Febraban, Murilo Portugal, evitou o assunto, e preferiu ressalta a Semana de Negociação e Orientação Financeira

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, descartou ingerência no setor financeiro ao fixar teto do juros do cheque especial em 8% ao mês. Ele garantiu intervenção no câmbio apenas quando houver disfunção.

Campos Neto foi o convidado principal do encontro de final de ano da Febraban, em São Paulo.

Em nota, a Federação Brasileira de Bancos criticou a decisão do cheque especial ao ressaltar preocupação com a “adoção de limites oficiais e tabelamentos de preços de qualquer espécie” e defender a “eliminação de custos e burocracia – e estímulos a concorrência, mais adequadas ao mercado e os consumidores”.

O presidente da Febraban, Murilo Portugal, evitou o assunto, e preferiu ressalta a Semana de Negociação e Orientação Financeira. “As condições cada banco vai definir as suas, não existe um padrão. Mas são muito mais favoráveis do que as condições que ele tem.”

Iniciada nesta segunda-feira (2), a iniciativa irá estender o horário de funcionamento dos bancos até as 20h para orientação financeira e negociação de dívidas.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos