Casos aumentam e Europa toma medidas mais rígidas para tentar conter coronavírus

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 09/03/2020 07h53 - Atualizado em 09/03/2020 08h23
EFE/EPA/JUSTIN LANENo Reino Unido os casos também seguem crescendo rapidamente -- já são quase 300 de acordo com os últimos dados oficiais

A crise do coronavírus se agravou na Itália no domingo (8) depois que o governo decidiu colocar cerca de 16 milhões de pessoas em isolamento. Entre as áreas afetadas está a região da Lombardia e sua capital, Milão, que também é o centro financeiro do país.

Milhares de pessoas tentaram deixar o norte da Itália depois que o decreto vazou na imprensa. Além da Lombardia, outras 14 províncias foram atingidas pelas medidas de emergência que restringem a capacidade de mobilidade dos cidadãos.

O confinamento será mantido até pelo menos o dia 3 de abril, segundo o governo de Roma. Os casos de coronavírus seguem crescendo em progressão geométrica no território italiano e a última contagem confirmou quase 7,5 mil casos de Covid-19 no país — com 366 mortes.

Cidades do sul da Itália estão ordenando o confinamento de quem conseguiu deixar o norte antes do decreto ser anunciado oficialmente.

Partidas de futebol da Serie A foram disputadas com portões fechadas neste final de semana. Além disso, agora também devem permanecer fechados no norte italiano estabelecimentos como cinemas, museus, teatros e academias de ginástica. Restaurantes só podem operar das 6 da manhã até às 18h.

No Reino Unido os casos também seguem crescendo rapidamente — já são quase 300 de acordo com os últimos dados oficiais. Outra morte foi confirmada no domingo e o governo do primeiro-ministro Boris Johnson vai fazer uma nova reunião de emergência ainda nesta segunda.

A expectativa é de que também sejam proibidos eventos com grande aglomeração de pessoas e que os trabalhadores sejam incentivados a ficar em casa pelas próximas semanas.

Economia

No Brasil, as próximas horas certamente serão de dólar disparando e bolsa despencando — a seguir o exemplo do que está ocorrendo na Ásia e na Europa.

Não bastasse a crise do coronavírus, que por si só já vinha trazendo muita tensão para o mercado, o risco de uma batalha comercial entre os países da Opep e a Rússia também derruba os mercados.

O preço do barril do petróleo chegou a cair cerca de 30% nos mercados europeus nas primeiras horas desta segunda-feira (9). O principal índice da bolsa de Londres chegou a cair 8.5% nesta manhã. Em Paris também queda de 7,1%; Milão quase 9% de queda; e em Frankfurt -6.5%.

De maneira geral, pelo menos na Europa, os investidores estão correndo das ações e buscando títulos dos governos. Isso mostra o nível de ansiedade com todos buscando um porto seguro para deixar o dinheiro.

Com isso, os juros pagos neste tipo de investimento despencaram e na prática o governo britânico pode emprestar dinheiro de graça e devolver sem custo em 2022. Esse é o tamanho do pânico nos mercados financeiros europeus hoje diante das crises do coronavírus e do petróleo.