Casos de hepatite A crescem quase 11 vezes em São Paulo e deixam autoridades em alerta

  • Por Jovem Pan
  • 22/11/2017 10h38 - Atualizado em 22/11/2017 12h08
Marcelo Camargo/ABr Marcelo Camargo/ABr A Secretaria Municipal de Saúde confirmou duas mortes na capital e disse que quatro pessoas foram encaminhadas à fila de emergência para transplante

Casos de hepatite A disparam na cidade de São Paulo e médicos atribuem avanço da doença à falta de proteção sexual adequada.

A Secretaria Municipal de Saúde confirmou duas mortes na capital e disse que quatro pessoas foram encaminhadas à fila de emergência para transplante.

Entre janeiro e outubro de 2017, foram 604 contágios, enquanto, no mesmo período do ano passado, houve apenas 57 registros – uma alta de 960%.

A Coordenadoria de Vigilância em Saúde afirma que, em 45% dos casos, a transmissão da hepatite A foi por meio de relações sexuais.

Para 10% das vítimas, a doença surgiu após a ingestão de alimentos contaminados e outros 45% dos pacientes ainda estão sob investigação.

O infectologista do Instituto Emílio Ribas, Jean Gorinchteyn, ressaltou que a maior parte das ocorrências envolve homossexuais: “56% dos casos que ocorreram no Estado de SP estavam relacionados a homens que faziam sexo com homens”. Ele destacou ainda a importância da prática de sexo seguro e do uso de preservativos.

Já o consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia, Roberto Focaccia, avaliou que uma variedade mais agressiva da hepatite possa ter chegado ao país: “provavelmente é uma cepa diferente, modificada, que vem dos EUA, Europa”.

O infectologista Roberto Focaccia afirmou ainda que a hepatite tem bom índice de sucesso no tratamento e que as mortes de pacientes chamam a atenção.

A vacina contra a doença é oferecida gratuitamente no SUS a crianças de até cinco anos e a integrantes dos grupos de risco – como portadores de HIV.

*Informações do repórter Vitor Brown