CCJ da Câmara deve votar nesta quarta convite para ouvir Janot

  • Por Jovem Pan
  • 02/10/2019 06h30 - Atualizado em 02/10/2019 10h40
Carlos Moura-SCO/STFPor se tratar de um convite, Janot não vai ser obrigado a comparecer

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados deve chamar o ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para prestar depoimento. O requerimento veio após as recentes revelações de Janot, dentre as quais ele afirma ter planejado assassinar o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, e até colocado em prática parte do plano.

Por se tratar de um convite, e não de uma convocação, o ex-PGR não vai ser obrigado a comparecer à Comissão. Mas o presidente da CCJ, deputado Felipe Francischini (PSL), acredita que Janot deve aceitar e prestar esclarecimentos sobre o seu trabalho à frente do Ministério Público Federal (MPF).

“Então eu acredito que o senhor Janot, ex-PGR, tem muito à dizer ao Brasil e nós queremos deixar aberta a CCJ, porque são temas atinentes à Justiça, que ele possa dar maiores explicações e também responder as dúvidas dos parlamentares porque hoje vejo muitos que gostariam fazer perguntas e questionamentos, a conduta que ele teve e algumas operações também”, afirmou.

Autor do requerimento, o deputado Delegado Pablo (PSL) disse que o convite deve contar com o apoio de quase todos os partidos e ser aprovado sem dificuldades. Segundo ele, um dos objetivos é que Janot fale sobre a Lava Jato. “Ele detalha com muita riqueza o que aconteceu, cita muitos nomes, e mexe bastante com o sentimento republicano das pessoas, saber se tudo ocorreu dentro da legalidade. Todos nós acreditamos na Lava Jato, mas queremos saber o que travou, na época, o que andou.”

O requerimento também convida o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, que comandava a pasta quando Janot era o PGR, e o procurador Eduardo Pelella, ex-chefe de gabinete de Janot. O presidente da CCJ pretende entrar em contato com eles imediatamente após aprovar o convite e, caso aceitem, pautar o depoimento já na semana que vem.

*Com informações do repórter Levy Guimarães