Cientistas encontram sinais do coronavírus em amostra de esgoto de novembro de 2019 em Florianópolis

  • Por Jovem Pan
  • 03/07/2020 06h33 - Atualizado em 03/07/2020 08h23
EFE/EPA/ZSOLT CZEGLEDI A pesquisa é a primeira nas Américas a analisar o esgoto de forma retrospectiva, como já ocorreu na Europa e na Ásia

Pesquisadores da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) apontaram que o coronavírus já estava circulando no Brasil em novembro de 2019, dois meses antes do primeiro caso clínico relatado no país. Segundo o estudo, partículas do vírus foram encontradas no esgoto da capital, Florianópolis.

O trabalho, que ainda não foi publicada por revistas científicas, também contou com a participação de pesquisadores de uma universidade espanhola e de uma start-up brasileira.

Para a doutora em Biotecnologia e uma das líderes do estudo, Gislaine Fongaro, essa é a amostra mais antiga do vírus identificada nas Américas. Ela ressalta que estudos semelhantes feitos em esgoto na China e na Itália foi constatado que o coronavírus estava em circulação antes dos primeiros registros da doença. Para a pesquisadora, o desconhecimento da doença mundialmente antes de dezembro pode ter impedido o diagnóstico correto em pacientes.

A pesquisa é a primeira nas Américas a analisar o esgoto de forma retrospectiva, como já ocorreu na Europa e na Ásia. Em quatro coletas seguidas, o estudo também apontou um avanço na presença de partículas do vírus nas amostras analisadas.

*Com informações da repórter Letícia Santini