CNJ testa mudanças no cadastro de adoção

  • Por Jovem Pan
  • 14/05/2018 09h17
Marcello Casal Jr./ABrNovo Cadastro Nacional de Adoção promete ser mais eficaz no auxílio a crianças e adolescentes sem lares de todo o País

Mudanças no Cadastro Nacional de Adoção, o CNA, estão sendo testadas desde o começo do mês em Cariacica e Colatina, no Espírito Santo.

O sistema foi desenvolvido pela Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça, o CNJ, a partir de propostas aprovadas por servidores e magistrados de diversas Varas da Infância de todo o país.

O CNA é uma ferramenta digital que auxilia juízes na condução de processos de adoção.

O objetivo das mudanças é colocar sempre a criança em primeiro lugar, permitindo a busca de uma família para ela, e não o contrário. É o que defende o juiz assessor da Corregedoria-Geral da Justiça de São Paulo e da Vara da Infância Protetiva de Guarulhos. Iberê Dias participou da criação do novo método que garante ser mais eficaz durante o processo de adoção.

“Esse sistema vai gerenciar desde o momento em que o pretendente se apresenta à Vara da Infância dizendo que quer adotar até o momento em que união entre o pretendente e a criança ou adolescente se concretize, e o sistema também acompanha o procedimento da adoção em si”, disse Dias.

“É um sistema eletrônico, informatizado, que vai permear todo o passo a passo da adoção e vai torná-la mais transparente, célere, com dados mais seguros e confiáveis”, exaltou o juiz.

Uma das medidas é permitir que os pretendes à adoção tenham acesso a fotos, cartas, desenhos e vídeos das crianças que estarão no Cadastro. Também haverá uma integração entre o CNA e o Cadastro Nacional de Crianças Acolhidas.

Informações sobre a saúde e o histórico dos futuros pais estarão disponíveis para auxílio no procedimento de adoção.

Desde 2008, quando o cadastro foi criado pelo CNJ, mais de nove mil crianças e jovens foram adotados no Brasil.

Atualmente, mais de 43 mil pretendentes estão habilitados à adoção no cadastro, e pouco mais de oito mil e seiscentas crianças e adolescentes estão à espera de uma família.

A previsão é de que no segundo semestre de 2018 o novo cadastro já esteja implementado em todo o país, para agilizar e facilitar todo o processo.

As informações são de Marcella Lourenzetto ao Jornal da Manhã: