Com 85% dos leitos de UTI ocupados, BH inicia lockdown nesta segunda

Com a restrição, apenas serviços essenciais podem funcionar na capital mineira

  • Por Jovem Pan
  • 11/01/2021 07h07 - Atualizado em 11/01/2021 09h03
ALEX DE JESUS/O TEMPO/ESTADÃO CONTEÚDOO prefeito Alexandre Kalil alega que as medidas são necessárias para conter a alta de casos e mortes pela Covid-19

A partir desta segunda-feira, 11, apenas serviços essenciais como supermercados, padarias e farmácias podem funcionar em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais. Bares e restaurantes serão obrigados – mais uma vez – a fechar as portas, sendo forçados a adotar sistemas para entregas ou retirada. O prefeito Alexandre Kalil, do PSD, alega que as medidas são necessárias para conter a alta de casos e mortes pela Covid-19. Ao todo, mais de 85% dos leitos de UTI estão ocupados. Além disso, 65 leitos foram fechados por falta de funcionários nos hospitais.

O médico infectologista, Carlos Starling, é integrante do Comitê de Enfrentamento à Covid em Belo Horizonte e diz que a volta das restrições é a única saída neste momento. “Nós esperamos que isso dure o mínimo possível, mas essa medida é absolutamente necessária neste momento porque há uma exaustão dos leitos de terapia intensiva e de enfermaria. Evitar, nesse momento, a mobilidade urbana significa liberar leitos”, explica. No entanto, a decisão preocupa os comerciantes. O presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de Minas Gerais, Matheus Daniel, afirma que os prejuízos serão imensos.

“A Abrasel estima um prejuízo no setor de bares e restaurantes no Brasil em R$ 50 bilhões no ano de 2020, sendo R$ 1 bilhão em Belo Horizonte. A gente estima o fechamento de mais 1.500 empresas e de seis a nove mil empregos em Belo Horizonte só no setor de bares e restaurantes”, relata. O presidente da Abrasel de Minas Gerais também reclama da falta de diálogo entre as autoridades e o setor produtivo. No sábado, 09, manifestantes se reuniram na porta da Prefeitura de Belo Horizonte insatisfeitos com o fechamento do comércio.

*Com informções da repórter Letícia Santini