Com alta da inflação, aluguel na cidade de São Paulo bate recorde em abril

Bairro Vila Olímpia tem o metro quadrado mais caro da cidade, que custa R$ 63

  • Por Jovem Pan
  • 16/05/2022 07h28 - Atualizado em 16/05/2022 09h46
Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas São Paulo Aluguel por metro quadrado em 41 dos 61 bairros monitorados pela plataforma já é superior ao registrado no início de 2020

A cidade de São Paulo registrou em abril o metro quadrado mais caro desde 2019. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), indicador oficial da inflação, atingiu 1,06% em abril, a maior taxa para o mês nos últimos 26 anos. Além de elevar o valor dos alimentos, por exemplo, o economista Gilberto Braga lembra que outra conta sofre com isso: os aluguéis, que são ajustados pelo Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M). “Ele teve um aumento até muito acima do IPCA. Se você pratica o índice do contrato, os valores desse aluguel sobem acima da inflação”, comentou. Para os paulistas a notícia não é boa. No último levantamento, o índice Quinto Andar de Aluguel revelou que a cidade registrou em abril o maior valor em três anos. O aluguel por metro quadrado em 41 dos 61 bairros monitorados pela plataforma já é superior ao registrado no início de 2020. A região que encabeça o ranking do metro quadrado mais caro é a Vila Olímpia, na Zona Oeste, onde o metro quadrado é R$ 63. Ao lado, o Vila Conceição fica em segundo lugar e Pinheiros em terceiro lugar.

O advogado especialista em direito imobiliário Rodrigo Mutti lembra que não é mais possível usar o argumento de fechamento da pandemia, mas ressalta que há muitos gatilhos contratuais que facilitam a negociação. “Primeiro gatilho que vejo é a data base de reajuste. Todos os anos os contratos são reajustados, sofrem uma correção monetária. Muitos contratos, principalmente celebrados antes de 2020, foram pactuados com o IGP-M, e o IGP-M tem se desconectado um pouco em relação a outros índices. Muitos inquilinos têm conseguido aproveitar a ocasião de data base para aplicar outro índice”, afirmou. De acordo com o Quinto Andar, em 12 meses o valor médio do metro quadrado em São Paulo subiu quase 10%. Entre os fatores estão a temporada de procura de aluguéis e busca por estúdios e móveis de um dormitório, resultado da retomada econômica e volta ao trabalho presencial.

*Com informações da repórter Nanny Cox