Com dispensa de visto, número de turistas dos Estados Unidos deve crescer no Brasil

  • Por Jovem Pan
  • 19/03/2019 07h12
PixabayEsse maior fluxo de turistas pode gerar uma injeção de cerca de R$ 6 bilhões por ano no país

A vinda de cidadãos dos Estados Unidos para o Brasil deve aumentar em quatro vezes após o decreto que dispensa o visto para os norte-americanos ingressarem em território nacional.

A estimativa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo aponta que esse maior fluxo de turistas pode gerar uma injeção de cerca de R$ 6 bilhões por ano no país.

Segundo a presidente do Conselho de Turismo da FecomercioSP, Mariana Aldrigui, a medida é positiva, mas precisa vir acompanhada de uma política mais ampla para promover o Brasil no exterior.

De acordo com dados do Ministério do Turismo, em 2017, 478 mil turistas dos Estados Unidos entraram em território brasileiro. Para se ter uma ideia, no mesmo período, 600 mil turistas norte-americanos passaram pelo Peru, país vizinho do Brasil.

A dispensa do visto foi publicada nesta segunda-feira (18) em uma edição extra do Diário Oficial da União e entra em vigor a partir do dia 17 de junho.

A medida foi preparada para coincidir com a visita do presidente Jair Bolsonaro aos Estados Unidos.

Também ficaram dispensados da necessidade do visto para entrar no Brasil cidadãos do Canadá, Austrália e Japão. Pelo texto, os turistas desses países poderão permanecer em território nacional por um prazo de 90 dias, prorrogável por igual período, desde que não ultrapasse 180 dias em um ano.

A medida é unilateral, sem previsão de reciprocidade como é habitual nesses casos e, portanto, cidadãos brasileiros continuam tendo a obrigatoriedade de visto para viajar a estes países.

Atualmente, o Brasil recebe cerca de 6,6 milhões de visitantes estrangeiros e, segundo o Ministério do Turismo, a expectativa é de que a medida contribua para que o país atinja a marca de 12 milhões de visitantes estrangeiros até 2022.

*Informações do repórter Afonso Marangoni