Com muitos interessados para poucos cargos, Temer terá dificuldades com reforma ministerial

  • Por Jovem Pan
  • 15/11/2017 06h27 - Atualizado em 15/11/2017 11h45
EFE/Joédson Alves É assim que avalia o deputado Miro Teixeira (Rede-RJ), que garantiu ser muito forte esta disputa por cargos entre os governistas que estão restando

Quando o presidente Michel Temer bater o martelo ao nome do substituto do deputado Bruno Araújo (PSDB-PE), o primeiro tucano a deixar o Governo, não terá resolvido o problema da Esplanada, mas encontrado outros problemas na base.

É assim que avalia o deputado Miro Teixeira (Rede-RJ), que garantiu ser muito forte esta disputa por cargos entre os governistas que estão restando.

O Centrão quer dominar a política e a área de execução do Governo. Como não há cargos e ministérios para todos, disse Miro Teixeira, os descontentes estarão em maior número.

O vice-líder do Governo, deputado Beto Mansur, alertou que os critérios estão definidos na escolha do novo ministro das Cidades: “eu acho que ele está definindo um critério técnico, porque o cargo de ministro é para alguém que conheça da área e que seja a composição do Ministério de gente competente e honesta. Não dá para escolher alguém que vai lá roubar o Brasil. E, segundo, tem uma engenharia de poder saber quantos votos teremos nas reformas que serão necessárias para o Brasil”.

A avaliação é de que o PSDB ficará menor no Governo, porém continua. O foco, segundo líderes, é garantir base menor, porém fiel e em defesa de Temer. O PSDB, mesmo os que defendem o desembarque do Governo, vai apoiar as reformas.

*Informações do repórter José Maria Trindade