Com sistemas diferentes, eleições no Reino Unido são mais baratas do que no Brasil

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 05/11/2019 08h37
EFENa última eleição, o gasto total dos partidos com campanha no Reino Unido equivaleu a R$ 215 milhões; aqui foram R$ 3 bilhões apenas no 1º turno

O Reino Unido está em ritmo de campanha às vésperas de uma controversa eleição convocada para definir o Brexit. No dia 12 de dezembro, 46 milhões de britânicos estarão aptos a decidir a nova formação da Câmara dos Comuns – que será dissolvida nesta quarta-feira (6).

As regras eleitorais no Reino Unido são bem diferentes das que existem no Brasil, uma vez que o sistema de Governo é outro. A dimensão do país também é outra, com apenas um terço do número total de eleitores em relação ao nosso país.

Mesmo levando tudo isso em conta é espantoso como as eleições britânicas parecem espartanas se comparadas às do Brasil. Sobretudo lembrando que o PIB per capita do Reino Unido é quatro vezes maior que o brasileiro.

No Reino Unido também existe um teto de gastos para cada partido e candidato durante o período eleitoral. Ele está relacionado ao número de distritos do país – no total são 650. Cada partido pode gastar, no máximo, 30 mil libras por distrito.

Ou seja, quem lança candidato em todos os distritos – o que normalmente não acontece – pode gastar, no máximo, 19,5 milhões de libras. Isso equivale a, mais ou menos, R$ 100 milhões.

Na última eleição, o gasto total dos partidos com campanha eleitoral no Reino Unido foi equivalente a R$ 215 milhões – uma pechincha se pensarmos que, na campanha de 2018, candidatos e partidos brasileiros gastaram quase R$ 3 bilhões só no primeiro turno.

Outra vez: são sistemas absolutamente diferentes. No Reino Unido, nas eleições gerais, só se vota em um candidato – já que a Câmara Alta não é eleita pelo voto. Ainda assim a disparidade dos gastos é impressionante.

Um candidato a deputado federal no Brasil, por exemplo, pode gastar até R$ 2,5 milhões em sua campanha de 2018. No Reino Unido esse valor varia conforme o distrito mas, na média, não passa muito do equivalente a R$ 75 mil.

Os britânicos também permitem doações de pessoas físicas e de empresas para candidatos e partidos – desde que os valores acima de 7,5 mil libras sejam registrados na autoridade eleitoral.

Por tudo isso, o clima de campanha no Reino Unido é mais virtual. Com exceção a um panfleto ou outro entregue na porta de casa, só se percebe que o futuro do país está em jogo acompanhando o noticiário mesmo.