Condenado por estupro de pacientes, Roger Abdelmassih continuará em prisão domiciliar

  • Por Jovem Pan
  • 23/02/2018 06h36
Arquivo pessoal/Antonio Celso Fraga Arquivo pessoal/Antonio Celso Fraga Após meses de imbróglio, a Sexta Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou, por unanimidade, que ele continue cumprindo a pena em casa.

Condenado a 181 anos de prisão pelo estupro de 37 pacientes, o ex-médico Roger Abdelmassih conquistou a prisão domiciliar definitiva.

Após meses de imbróglio, a Sexta Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou, por unanimidade, que ele continue cumprindo a pena em casa.

Abdelmassih já estava em prisão domiciliar desde junho do ano passado, mas em caráter provisório. A defesa alega que ele desenvolveu insuficiência cardíaca 4, doença progressiva que leva à total incapacidade de manter ações do cotidiano.

O advogado Antonio Carlos Fraga explica a situação da saúde do ex-médico: “a insuficiência cardíaca crônica é quadro irreversível, irrecuperável. Como é o nível máximo desta doença, a perspectiva de vida é mínima. Ele tem muitas dificuldades de realizar atividades simples, tendo dificuldades respiratórias aos mínimos esforços. Ele tem de se submeter a eletrocardiograma, e outros”.

O advogado afirmou ainda que Abdelmassih necessita estar próximo de centros hospitalares e passa por assistência médica constantemente.

A defesa destaca que não cabem mais recursos, e espera que o ex-médico receba o indulto humanitário.

*Informações do repórter Matheus Meirelles