Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Prefeitura se unem no combate à violência contra a mulher

  • Por Jovem Pan
  • 18/01/2019 06h23
Paulo Guereta/Estadão ConteúdoAo lado de parte do secretariado, o prefeito Bruno Covas recebeu os presidentes dos clubes Andrés Sanchez, Paulo Buosi e Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco

A Prefeitura de São Paulo anunciou um acordo de cooperação com os clubes Corinthians, Palmeiras e São Paulo. A parceria terá como objetivo a promoção do programa “Tem Saída”, que combate a violência contra a mulher por meio da geração de emprego, para que as vítimas tenham a possibilidade de não depender economicamente do agressor.

Ao lado de parte do secretariado, o prefeito Bruno Covas recebeu os presidentes dos clubes Andrés Sanchez, Paulo Buosi e Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco.

Além de auxiliar na divulgação de programa, os clubes disponibilizarão vagas de empregos para as mulheres atendidas pelo tem Saída. Moradoras da capital paulista que denunciam seus agressores e dizem que precisam de emprego, passam a fazer parte do programa.

A secretária de desenvolvimento econômico, Aline Cardoso, esclareceu que os casos de agressão precisam ser comprovados pela justiça antes das vítimas serem encaminhadas ao CAT, onde atendentes treinados darão um tratamento especial as mulheres. Ela ainda destacou que os clubes não serão responsáveis por gerar um grande número de vagas para as mulheres.

O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, apontou que o projeto precisa fazer parte de um trabalho coletivo para diminuição de casos de violência contra a mulher. Hoje o Brasil tem a quinta maior taxa de feminicídio no mundo.

O presidente em exercício do Palmeiras, Paulo Buosi, também destacou em discurso os números agressão.

O presidente do São Paulo, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, ressaltou a importância da participação dos clubes para visibilidade do programa.

Até agora, 20 mulheres foram empregadas pelo programa Tem Saída e outras 28 estão na fase final dos processos seletivos.

*Informações da repórter Victoria Abel