RJ: Corpo de bebê que morreu após queimaduras de 2º e 3º graus em hospital é enterrado

A polícia do Rio de Janeiro decidiu indiciar a profissional responsável por homicídio culposo, quando não há intensão de matar

  • Por Jovem Pan
  • 31/08/2020 09h16
Pedro de Paula/Estadão ConteúdoA bebê, que tinha microcefalia, ficou internada no CTI do hospital, mas acabou falecendo na última semana

Em clima de muita comoção, tristeza, e revolta foi enterrado o corpo de uma bebê de seis meses que morreu em consequência de queimaduras de 2º e 3º grau após cuidados em um hospital público em Niterói. O corpo de Juliana Anastácio foi sepultado no final de semana. O clima entre parentes e amigos era de indignação, comoção e revolta. Juliana foi internada pela família no Hospital Getúlio Vargas Filho, o Getulinho, na zona norte da cidade, para tratar um caso de meningite, mas acabou tendo queimados em quase 40% do corpo. As queimaduras aconteceram durante um banho administrado por uma técnica de enfermagem.

Segundo investigações da Polícia do Rio de Janeiro, a profissional utilizava luvas e, por isso, não teria percebido a alta temperatura da água que seria utilizada para o banho da pequena Juliana. A bebê, que tinha microcefalia, ficou internada no CTI do hospital, mas acabou falecendo na última semana. A técnica de enfermagem foi afastada do hospital e a polícia do Rio de Janeiro decidiu indiciar a profissional por homicídio culposo, quando não há intensão de matar.

 

*Com informações do repórter Rodrigo Viga