Corpos de escaladores brasileiros não podem ser retirados de montanha na Argentina

  • Por Jovem Pan
  • 18/02/2019 06h12 - Atualizado em 18/02/2019 10h16
Arquivo Pessoal/Fabrício AmaralSegundo os familiares, as autoridades argentinas informaram que não é possível removê-los da montanha

As famílias dos brasileiros Leandro Ianotta e Fabrício Amaral, mortos durante escalada ao monte Fitz Roy, na Argentina, não conseguirão recuperar seus corpos.

Segundo os familiares, as autoridades daquele país informaram que não é possível removê-los da montanha e que receberão apenas as roupas, documentos e equipamentos dos escaladores.

Leandro e Fabrício começaram a subida em 16 de janeiro com retorno previsto para dia 20. No entanto, uma frente fria prejudicou a região e eles não retornaram. As buscas começaram no dia 21 e os corpos foram encontrados dia 3 de fevereiro.

Os montanhistas tinham mais de 20 anos de experiência no esporte e o monte Fitz Roy é considerado um dos mais perigosos do mundo. Isso porque as mudanças de tempo são repentinas com ventos de até 140 quilômetros por hora e temperaturas que podem chegar a -15ºC, com ventos de até 140 km/h.

*Informações do repórter Fernando Martins