Corregedorias do MP reconhecem legalidade de palestras de Deltan Dallagnol

  • 25/08/2017 09h13
Vladimir Platonow / Agência Brasil Os órgãos entenderam que não há irregularidade nas palestras do procurador da República

As Corregedorias do Ministério Público reconheceram legalidade das palestras de Deltan Dallagnol. As reclamações disciplinares que questionavam a atividade foram arquivadas.

Os órgãos entenderam que não há irregularidade nas palestras do procurador da República. As reclamações foram protocoladas em junho pelos deputados do PT, Wadih Damous e Paulo Pimenta.

Em entrevista exclusiva à Jovem Pan, Deltan Dallagnol criticou as acusações injustas e reiterou que a atividade não foi ilegal: “infelizmente uma das formas mais comuns de atacar a Lava Jato é atacar a credibilidade do juiz, dos delegados e procuradores por meio de acusações injustas apontando falsos abusos ou supostas ilegalidades. Um dos ataques foram as palestras que eu fiz. Como era esperado, os órgãos competentes reconheceram a plena regularidade destas palestras”.

A polêmica começou quando foi descoberta uma empresa, em São Paulo, que comercializava palestras do integrante da Lava Jato.

Na época, o procurador admitiu ter recebido o pagamento pela atividade, mas que doou a verba para entidades filantrópicas.

Deltan Dallagnol reiterou ainda a doação do dinheiro proveniente das palestras: “eles reconheceram que eu poderia ter ficado com o dinheiro pago nas palestras, mas eu optei por doar quase integralmente para que as pessoas não tenham dúvida de que o que me move na luta contra a corrupção é o desejo de um país melhor. Por isso, a maior parte das palestras que eu faço continuam gratuitas”.

O procurador declarou que o intuito das palestras é exercer a cidadania em busca de reformas anticorrupção.

Para as Corregedorias do Ministério Público Federal e do Conselho Nacional do Ministério Público, “por qualquer ângulo que se analise a questão, não há que se falar em desvio funcional”.

*Informações da repórter Natacha Mazzaro