Covas volta atrás, e teatros e cinemas só irão reabrir quando SP entrar na fase verde

Atualmente, a capital está na fase amarela; proprietário do Petra Belas Artes entendeu a decisão da prefeitura, mas criticou a medida

  • Por Jovem Pan
  • 25/07/2020 07h32 - Atualizado em 25/07/2020 07h33
Reprodução/InstagramNo mês passado, o Petra Belas Artes começou a oferecer o sistema de drive-in para conseguir pagar as despesas principais

Cinemas e teatros da capital paulista só poderão reabrir na fase 4 do Plano São Paulo, apesar do sinal verde do Estado. No começo do mês, o governo estadual havia antecipado a reabertura do setor para a fase 3. No entanto, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, afirmou que os estabelecimento terão que esperar. Atualmente, a capital está na fase amarela. “A vigilância sanitária do município pediu para que esperássemos o município entrar na fase verde para poder liberar a área cultural. O protocolo já esta pronto, mas a vigilância insistiu que a gente aguardasse a fase verde”, disse. Com 312 óbitos contabilizados nas últimas 24 horas, o estado de São Paulo soma 21.206 mortes provocadas pelo novo coronavírus.

O Petra Belas Artes estava pronto para voltar às atividades na primeira semana de agosto. O proprietário André Sturm entendeu a decisão da prefeitura, mas criticou a medida. “Eu acho que a equipe do prefeito foi influenciada por uma matéria que saiu no jornal dizendo que um estudo de médicos americanos fez uma tabela de risco das atividades e coloca cinema entre as mais arriscadas. Como ir ao supermercado é mais arriscado do que ir ao cinema? Que é um lugar que você entra, senta em uma cadeira, fica 2h sentado naquela cadeira, nós nos comprometemos a deixar uma cadeira vaga do lado, a pessoa que está na sua frente está de costas para você, risco zero. Ou seja, o cinema é, na verdade, um dos lugares mais seguros”, afirmou.

No mês passado, o Petra Belas Artes começou a oferecer o sistema de drive-in para conseguir pagar as despesas principais. Sem previsão para retomar, André Sturm afirma que pode recorrer às demissões: “Nós estamos como todos os setores, todo mundo está tendo dificuldades. Estamos preparados para ter dificuldades, o importante é poder abrir, poder trabalhar, e faturar alguma coisa para, principalmente, manter os empregos e manter o negócio”, explicou.

Quando reabrir, os cinemas só poderão funcionar por 6 horas, com ocupação máxima de 40% e assentos com distanciamento social. Além disso, os frequentadores devem usar máscaras, não podem consumir alimentos e bebidas e a venda de ingressos ficou limitada à internet. Por meio de nota, o Itaú Cultural disse que está adiantando a organização dos cinemas e materiais de orientação ao público e aguarda somente a permissão do governo. O UCI reforçou o compromisso de retomar gradativamente as atividades nas 203 salas em território brasileiro. Cinemark e Kinoplex não se pronunciaram.

* Com informações da repórter Nanny Cox