Crise financeira preocupa escolas de samba cariocas a menos de um mês do desfile

  • Por Jovem Pan
  • 25/01/2020 11h33
MARCELO CORTES /FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDOCrise econômica afeta carnaval do Rio de Janeiro

Falta menos de um mês para o início do Carnaval, e as principais escolas de samba do Rio de Janeiro continuam com problemas financeiros para fechar o desfile na Marquês de Sapucaí.

Ao longo de anos, elas se acostumaram com patrocínios, apoios e até mesmo subvenção da prefeitura. Desde o início da gestão de Marcelo Crivela (Republicanos-RJ), houve uma redução no repasse de verbas para as escolas.

No primeiro ano, passou de R$ 2 mi para R$ 1,5 mi. Depois, o número caiu para R$ 1 mi, R$ 500 mil e, neste ano, nenhum valor será repassado para escolas do Grupo Especial.

O governador Wilson Witzel, que tenta ficar bem com o mundo do samba, está viabilizando um apoio financeiro com a Light, uma das distribuidoras de energia do Rio, de mais de R$ 20 mi, também no formato de subvenção.

A crise é tão grande que algumas regras para o desfile foram alteradas para 2020. O tempo de desfile foi reduzido em cinco minutos. Além disso, a ala das baianas, a mais tradicional do carnaval, poderá se apresentar com menos componentes. Para completar, o número mínimo de alegorias também diminuiu.

O público garante que nada disso vai atrapalhar a folia na Sapucaí, onde se apresentam as principais escolas de samba do Rio e do Brasil.

O carnaval fora da Avenida também deve movimentar muita gente neste ano. A perspectiva é de mais pessoas, mais blocos e mais recursos. A prefeitura estima que o Carnaval movimente mais de 2 milhões de turistas, o que deve render cerca de R$ 4 bi. 543 blocos devem desfilar pelas ruas da cidade.

* Com informações do repórter Rodrigo Viga.