Crivella avisa que, em 2020, não haverá patrocínio da Prefeitura para as escolas de samba

  • Por Jovem Pan
  • 07/03/2019 06h29 - Atualizado em 07/03/2019 08h44
Arquivo/Agência BrasilDesde que Crivella assumiu começou um processo de redução significativa na ajuda financeira ao grupo de elite do Carnaval

A apuração do Carnaval do Rio de Janeiro nem tinha começado nesta quarta-feira (06) e das arquibancadas vinham protestos contra o prefeito Marcelo Crivella. O motivo foi a declaração dada horas antes por ele de que pretende, a partir de 2020, acabar com o apoio financeiro às escolas de samba.

Desde que Crivella assumiu começou um processo de redução significativa na ajuda financeira ao grupo de elite do Carnaval. No último ano da gestão de Eduardo Paes, a ajuda chegou a R$ 2 milhões. Em 2019, Crivella contribuiu apenas com R$ 500 mil.

O mundo do samba está preocupado, mas Crivella disse que as escolas precisam construir equipes de marketing para buscarem no mercado o financiamento anual necessário para os desfiles.

O intérprete Neguinho da Beija Flor acha que Crivella está equivocado, mas que o mundo do samba tem um novo aliado: “a gente dá um jeito, agora tem o governador que comprou a briga”.

O governador Wilson Witzel está na Alemanha em busca de novos investidores para o Estado. Durante sua passagem pelo Carnaval, e disse que quer assumir o Sambódromo e transformá-lo na Times Square brasileira. Sobre a presença de bicheiros, traficantes e milicianos no mundo do samba, Witzel disse que há muito mito em toda essa história.

*Informações do repórter Rodrigo Viga