Declaração de Padilha sobre PSDB não ajuda a aprovar reforma da Previdência, diz tucano

  • Por Jovem Pan
  • 30/11/2017 09h19
Agência CâmaraEm entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, o secretário-geral da sigla negou que o partido seja oposição ou que tenha pedido cargos ao Governo

Após o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, dizer que o PSDB não faz mais parte da base do Governo e que caberá ao presidente Michel Temer realizar as alterações nas pastas comandadas pelos tucanos, o secretário-geral da sigla, deputado Silvio Torres, afirmou que “as declarações não ajudam em nada na tentativa que o Governo está fazendo para aprovar a reforma da Previdência”.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, o tucano negou que a sigla seja oposição ou que tenha pedido cargos ao Governo. “O PSDB não é oposição e não fez oposição em nenhum momento e, nas votações que interessam ao País, o PSDB tem dado mais votos que alguns partidos da base. PSDB nunca pediu cargos ao Governo”, afirmou.

Silvio Torres admitiu o comando de alguns Ministérios por tucanos, mas reiterou que a única condição do PSDB para assumir as pastas era que tivesse uma agenda que tirasse o País da crise.

“Depois disso, o partido seguiu compromissos e vai com certeza continuar votando desta forma, mesmo sem ter qualquer cargo do Governo. A decisão sobre cargos é do presidente Michel Temer, ele que escolheu os ministros”, completou.

Mudanças no PSDB

Nesta quinta-feira (30), o PSDB reúne a Executiva nacional para apresentar um pré-projeto de revisão do estatuto do partido. Um dos principais itens é a instalação de um sistema de compliance, seguindo o modelo empresarial.

Ao mesmo tempo, será proposto um código de ética e que vai, a partir da convenção nacional no dia 09 de dezembro, dar condições para que o partido tome todas as condições necessárias para que quadros que não sigam essas normas possam “ser saídos ou não venham a compor o partido”, segundo Silvio Torres.

Prévias para candidatura em 2018

O partido está na expectativa de ter apenas um candidato, apesar de Arthur Virgílio ter manifestado vontade de concorrer.

“Se ele quiser concorrer, partido vai estabelecer modelo de prévias, talvez até antes do dia 09, modelo vai prever que até o final de fevereiro já tenhamos nosso candidato apresentado ao país para 2018”, finalizou o secretário-geral da sigla.

Confira a entrevista completa com o secretário-geral do PSDB, Silvio Torres: