Depois de condições impostas pelo FMI, Senado da Argentina aprova orçamento para o ano que vem

  • Por Jovem Pan
  • 16/11/2018 06h47
EFEA adesão do protesto, no entanto, foi menor ao observado em outubro (foto), quando este mesmo projeto foi discutido na Câmara dos Deputados

O Senado da Argentina aprovou o orçamento de 2019 com diversos cortes de gastos exigidos pelo Fundo Monetário Internacional. A votação durou cerca de 14 horas e terminou com 45 votos a favor, 24 contra e uma abstenção.

O orçamento prevê zerar o déficit fiscal no ano que vem, uma das condições para que o governo receba uma ajuda de US$ 56,3 bilhões do FMI. A verba será liberada conforme o país for cumprindo as metas estabelecidas.

A gestão de Mauricio Macri buscou o órgão internacional para frear a desvalorização monetária no país e o encolhimento da economia argentina.

A oposição e movimentos sociais convocaram manifestações em torno do congresso durante a votação do orçamento. A adesão do protesto, no entanto, foi menor ao observado em outubro, quando este mesmo projeto foi discutido na Câmara dos Deputados.

A vitória no Senado representa uma conquista para o presidente da Argentina Mauricio Macri, que deve tentar a reeleição no pleito de 2019.

*Informações da repórter Nanny Cox