Deputados Alberto Fraga e Laerte Bessa protagonizam briga no plenário da Câmara

  • Por Jovem Pan
  • 13/11/2018 09h26 - Atualizado em 13/11/2018 10h22
Dida Sampaio/Estadão ConteúdoA confusão foi motivada por críticas do democrata à decisão do governador eleito, Ibaneis Rocha (MDB), de extinguir a Casa Militar e criar um Gabinete de Segurança Institucional

Dois deputados do Distrito Federal se desentenderam nesta segunda-feira (12) no plenário da Câmara – e quase chegaram às vias de fato.

Alberto Fraga (DEM) e Laerte Bessa (PR) protagonizaram uma confusão motivada por críticas do democrata à decisão do governador eleito, Ibaneis Rocha (MDB), de extinguir a Casa Militar e criar um Gabinete de Segurança Institucional que seria comandado pelo deputado do PR.

Alberto Fraga, que é coronel da Polícia Militar, falou em discurso na tribuna que a decisão de Ibaneis Rocha era “ideia de Jerico” e que não seria aceita pela corporação. “Se ele insistir com essa ideia de maluco, de jumento, de extinguir a Casa Militar, ele pode preparar cadeia para todos os oficiais, porque ninguém vai para a rua. Ninguém vai trabalhar. Nós vamos mergulhar o Distrito Federal num caos, numa insegurança pública jamais vista”, disse.

Ele ainda insinuou que a extinção da Casa Militar teria como objetivo alentar quem perdeu a eleição. “Quer botar um civil para comandar as forças militares. Nós não vamos aceitar isso”, afirmou.

Em seguida, Bessa subiu na tribuna e se mostrou indignado “com um cidadão dessa qualificação vir falar de uma pessoa digna como é nosso futuro governador Ibaneis”. “Eu queria dizer para esse coronel deputado que ele não tem moral nenhuma para falar de quem quer que seja. Sabe por quê? Ele foi condenado recentemente por corrupção, e corrupção no meu dicionário é furto, roubo, corrupção e ladroagem é a mesma coisa”, disse.

Solicitando um direito de resposta, Fraga, do plenário, disse que Bessa era conhecido na Câmara pelo “tresloucamento e truculência” e que o deputado deveria explicar o apoio a um candidato de outra coligação. No primeiro turno eleitoral, o partido de Bessa apoiou a candidatura de Alberto Fraga. “Essa questão de apoiar candidato que era de outra coligação quem tem que explicar é ele e não eu”, disse Fraga.

Com isso, Bessa se dirige ao colega parlamentar e os dois passam a trocar xingamentos. Eles foram separados por colegas e, por conta da confusão, a sessão foi encerrada.