Deputados da Alesp perdem o foco durante discussões em plenário

  • Por Jovem Pan
  • 21/03/2019 09h44 - Atualizado em 21/03/2019 10h16
Reprodução/ALESPOs deputados parecem mais preocupados em debater temas nacionais, cujas decisões não dizem respeito a Alesp

A Assembleia Legislativa de São Paulo iniciou os trabalhos desta quarta-feira (20) com mais 300 proposições para serem discutidas em regime de urgência, como vetos e projetos de lei de interesse do Estado.

Em plenário, no entanto, os deputados parecem mais preocupados em debater temas nacionais, cujas decisões não dizem respeito a Alesp, além de questões ligadas a rivalidade partidária.

Um de cada lado do debate, PSL e PT, disputaram os microfones da Casa. Durante a sessão de ontem, o deputado do Partido dos Trabalhadores, Emidio de Souza, levantou a questão sobre o acordo feito entre o presidente Jair Bolsonaro e Donald Trump para uso da base de Alcântara, no Maranhão.

O deputado Gil Diniz, do PSL, rebateu dizendo que o governo não está entregando a base e completou com outra provocação.

Outro petista entrou na discussão, o deputado Paulo Fiorilo chegou a citar em plenário as acusações sobre candidaturas laranjas que pesam sobre o PSL e lembrou do caso Queiroz.

Em outra devolvida, o deputado do PSL, Douglas Garcia, se manifestou sobre casos de corrupção do PT e comparou o ex-presidente Lula com Bolsonaro.

Quem tentou mudar o foco do debate foi o deputado Campos Machado, do PTB, que protestou contra a polarização da discussão.

O clima de rivalidade na Alesp se justifica também pelo tamanho das bancadas. Assim como na Câmara dos Deputados, PT e PSL, que dominaram a disputa eleitoral, ocupam o maior número de cadeira no legislativo paulista.

*Informações da repórter Victoria Abel