Deputados já articulam queda do “distritão” em troca de modelo misto

  • Por Jovem Pan
  • 17/08/2017 06h42 - Atualizado em 17/08/2017 09h38
urna eletrônica. Foto: Nelson Jr./ ASICS/TSEOs partidos já buscam um acordo para um modelo de eleição mista, com os votos dos partidos também tendo força

É clara a tendência do Congresso de queda do distritão. Os partidos já buscam um acordo para um modelo de eleição mista, com os votos dos partidos também tendo força. É a busca de apoio, no plenário, dos que recebem o chamado voto ideológico.

O PT se antecipou e disse que não interessa este tipo de acordo. As críticas pesadas levaram os líderes a mudar a emenda, que além do distritão, que seria transformado, em 2022, em voto distrital misto, criou o tal “fundão”.

Com relação a este, que receberia R$ 3,6 bilhões, deve ficar o princípio do fundo, mas o Orçamento é que vai definir o valor da transferência em cada eleição.

O projeto chegou a ser colocado em votação, mas o quórum estava baixo para a emenda constitucional, que preciosa de 308 votos favoráveis para a aprovação.

O deputado José Rocha, líder do PR, apostou, mesmo, na semana que vem para a reforma política: “as emoções estarão aí sendo guardadas para a próxima semana”.

O líder do PSDB, deputado Ricardo Trípoli, defendeu o distritão: “é o que a população quer. Você não quer votar em uma pessoa que traga mais três, quatro deputados com ela”.

O ritmo em Brasília é incomum. Além da emenda constitucional, o projeto que define regras das eleições está sendo discutido em comissão e regulamenta teto de gastos de campanha política e acaba com a doação oculta que estava no projeto. E ainda regulamenta a doação de pessoa física com limite de 50% dos rendimentos, mas com identificação.

*Informações do repórter José Maria Trindade