Deputados presos em 2018 retomam cargos nesta quinta na Alerj

  • Por Jovem Pan
  • 28/05/2020 07h33
Divulgação/AlerjEles foram presos em 2018 acusados de receber propinas no esquema do ex-governador Sérgio Cabral

Cinco deputados que foram presos na operação Furna da Onça no fim de 2018, àquela que o empresário Paulo Marinho disse ter acontecido vazamento de informações, vão reassumir suas funções na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) nesta quinta-feira (28).

Tomam posse os deputados André Corrêa (DEM), Luiz Martins (PDT), Marcus Vinícius Neskau (PTB), Marcos Abrahão (Avante) e Chiquinho da Mangueira (PSC). Eles foram presos em 2018 acusados de receber propinas no esquema do ex-governador Sérgio Cabral. Em troca dos valores, eles aprovavam projetos da Assembleia a favor do grupo criminoso do ex-governador.

A retomada dos cargos acontece após o Tribunal de Justiça do Rio notificar a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) na quarta-feira (27) para seja cumprida a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de colocar o quinteto no exercício de seus mandatos. Os parlamentares ficaram um ano afastados das funções.

De volta à Alerj, os deputados devem enfrentar um processo de cassação do Comitê de Ética da Casa, pelo menos é a expectativa. Quem também pode enfrentar um processo, só que de impeachment, é o governador do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel.

Pelo menos três pedidos já foram protocolados pela oposição, sendo um deles feito pelo deputado estadual Luiz Paulo Correa da Costa. “Em plena pandemia, com dezenas de pessoas morrendo a cada dia,  com dezenas, centenas de pessoas sendo contaminadas, mesmo assim há uma corrupção desvairada.”

O governador do Rio de Janeiro deve prestar depoimento na Polícia Federal nesta quinta-feira (28), no mais tardar na sexta-feira (29). Ele é investigado na Operação Placebo da PF que investiga possíveis fraudes em compras feita pela saúde durante a pandemia da Covid-19.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga