Desativação do Campo de Marte divide opiniões em audiência pública

  • Por Jovem Pan
  • 26/10/2019 11h21 - Atualizado em 26/10/2019 16h37
Wikimedia CommonsA comunidade aeronáutica não digere muito bem o tema e alega que o fechamento levaria a um caos

Continua a polêmica sobre a transformação ou não do aeroporto Campo de Marte em parque. A disputa entre a União e o Estado permanece acirrada – de um lado o presidente da república, Jair Bolsonaro, e do outro o governador de São Paulo, João Doria.

O mandatário paulista quer transformar o local numa área de lazer voltada a população. Já o Governo Federal optou por inserir a área no plano de privatizações, com leilão previsto para o segundo semestre de 2022.

A comunidade aeronáutica não digere muito bem o tema e alega que o fechamento levaria a um caos. A alegação é que não haveria locais para operar as aeronaves hoje estabelecidas no aeroporto.

Numa audiência pública para tratar do assunto, o presidente da Associação Brasileira de Aviação Geral, Flávio Pires, destacou que uma metrópole como a capital não pode prescindir de um aeroporto já instalado.

O presidente da frente parlamentar em defesa do transporte aéreo nacional, Deputado Federal por São Paulo, Coronel Marcos Tadeu (PSL), defende a permanência das operações.

“O aeroporto do Campo de Marte tem voos para mais de 900 destinos no país. É mais do que justificável que tenhamos o Campo de Marte transportando pessoas para cidades menores através de pequenos voos.”

Muitas pessoas têm a percepção de que a aviação é apenas um luxo. Para Jorge Bitar, presidente da Abtaer, essa visão é errada. Segundo ele, o setor é estratégico para a economia do país.

“Um país como o nosso, com as dimensões continentais que nós temos, a aviação é uma ferramenta. Ainda mais porque não temos estradas suficientes. O Estado de São Paulo é diferente do resto do país.”

Paulo Nogueira Martins, presidente da Associação dos Concessionários e Usuários do Campo de Marte, entende que é possível se chegar a um meio-termo. “O Campo de Marte tem área para ser parque e aeroporto.”

O fato é que o destino do principal aeroporto de aviação geral do país depende de uma negociação que deve se arrastar por um bom tempo e vai muito além das questões aeroportuárias, isto porque o Campo de Marte está encrustado numa queda de braço entre políticos.

*Com informações do repórter Daniel Lian