Desemprego global e emprego precário não devem diminuir de forma expressiva em 2018, diz OIT

  • Por Jovem Pan
  • 23/01/2018 06h49
Edson Lopes Jr/A2ADSegundo o órgão, que é ligado à ONU, a diminuição desse índice acontece de forma muito tímida. Quem puxa a queda são os países desenvolvidos

O desemprego global deve continuar em níveis altos em 2018. É o que afirma um relatório da OIT, a Organização Internacional do Trabalho.

No último ano, a taxa se estabilizou em 5,6%, ou seja, mais de 192 milhões de pessoas. Segundo o órgão, que é ligado à ONU, a diminuição desse índice acontece de forma muito tímida. Quem puxa a queda são os países desenvolvidos. Já nas nações em desenvolvimento, a recuperação deve demorar.

Na América Latina e no Caribe, por exemplo, os desempregados devem passar de 8,2% para 7,7% até 2019. Número ainda bem acima dos 6,1% de 2014.

Outro fator que preocupa a OIT é a qualidade dos empregos. Os dados mostram que no ano passado, 1,4 bilhão de trabalhadores estavam em empregos vulneráveis. Desde 2012 esse número não reduz.

Nos países em desenvolvimento, o emprego vulnerável afeta três a cada quatro trabalhadores.

E um terceiro desafio apontado pela entidade é o envelhecimento da população. Segundo o relatório, a média de idade dos trabalhadores vai aumentar de pouco menos de 40 anos para mais de 41 em 2030. E a força de trabalho global não vai ser suficiente para compensar a expansão do grupo de aposentados.

*Informações do repórter Levy Guimarães