Divisão entre família Bolsonaro e política é assunto entre parlamentares do PSL

  • Por Jovem Pan
  • 19/02/2019 06h51
Reprodução/Flickr“Tem que fazer o papel de filho. Quem é filho e parlamentar faz sua condução parlamentar e papel de filho carinhoso em todos os momento", disse Major Olímpio

O presidente do PSL de São Paulo, senador Major Olímpio, defendeu uma nova postura dos filhos do presidente Jair Bolsonaro após a crise que culminou na demissão do secretário-geral da Presidência da República, Gustavo Bebianno, nesta segunda-feira (18).

“Tem que fazer o papel de filho. Quem é filho e parlamentar faz sua condução parlamentar e papel de filho carinhoso em todos os momentos, mas precisa fazer modulação para não ter equívoco em relação a esses papéis”, disse Major Olímpio.

O senador analisou ainda o impacto da família no Governo: “as coisas vão se acomodar, mas é preciso respeitar a hierarquia do Estado brasileiro, a figura do presidente da República, a estrutura hierárquica de Governo. Quando isso for 100% respeitado, todo mundo tem tranquilidade para poder fazer a condução do País”.

Deputada estadual eleita por São Paulo, Janaína Paschoal avaliou que a família Bolsonaro não vai mudar: “o que me parece inadequado é o presidente deixar que essa situação se estenda por tanto tempo. Decidiu demitir? Demite. Filhos do presidente são políticos, são ativos nas redes sociais. Nós é que teremos que aprender que quando um filho fala é este que fala e não o presidente”.

A deputada federal Joice Hasselmann falou em fratura no núcleo duro do Governo e implicações no Congresso: “dentro do partido há de fato um clima de apreensão pela forma como as coisas foram conduzidas porque não se pode passar recado a aliados de que uma fritura pública pode acontecer a qualquer pessoa”.

A bancada do PSL de São Paulo foi recebida na Fiesp para discussão dos temas que afetam a indústria, com a defesa da prioridade das reformas da Previdência e Tributária.

*Informações do repórter Marcelo Mattos