Dois policiais morrem baleados neste fim de semana em SP

A polícia investiga se as execuções dos policiais da ROTA seriam uma retaliação do PCC

  • Por Jovem Pan
  • 06/05/2019 07h47
PixabayA polícia investiga se as execuções dos policiais da ROTA seriam uma retaliação do PCC

Um policial militar morreu baleado na tarde deste domingo (06) na zona sul da capital paulista. As informações iniciais da Secretaria de Segurança Pública dizem que dois homens teriam tentado desarmar o policial, que estava de folga, durante uma discussão. O policial, então, teria reagido e atingido esses dois homens, que foram hospitalizados.

Logo depois, de acordo com a SSP, desconhecidos teriam disparado contra o policial, que chegou a ser levado ao pronto socorro do hospital campo limpo, mas não resistiu aos ferimentos.

Esta foi a terceira morte de um policial militar em São Paulo em menos de duas semanas. No último dia 25, um PM da ROTA foi morto a tiros em Santos, no litoral paulista. Ele estava de folga e foi atingido pelas costas.

E neste sábado (04), outro PM da ROTA, o cabo Fernando Flávio Flores, foi morto a tiros quando estava saindo de casa pra trabalhar.

Um vídeo gravado por uma câmera de segurança mostra o momento do crime. O policial militar sai de casa dentro de um carro verde. Ele para na calçada, sai do carro pra fechar o portão da garagem e volta logo em seguida.

Pouco depois, um carro branco aparece na imagem, vindo do outro sentido, e para bem ao lado do carro do policial. Alguém começa a atirar de dentro desse carro branco, depois sai e, a pé, continua atirando.

Outro bandido faz o mesmo. Em seguida, os dois voltam pra dentro do carro branco, e fogem. O cabo Fernando Flávio Flores não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

Horas depois, a polícia encontrou o carro branco queimado em Parelheiros, também na zona sul da capital.

No domingo, o governador João Doria falou sobre a execução do policial da ROTA.

A polícia investiga se as execuções dos policiais da ROTA seriam uma retaliação do PCC pela transferência de líderes da facção pra presídios de outros estados, e pela ação da ROTA em Guararema durante uma tentativa de assalto a bancos, que deixou 11 mortos no começo de abril.

*Informações da repórter Mariana Janjácomo