Doria: ‘PCC, hoje, não é nem um décimo do que já foi em São Paulo’

  • Por Jovem Pan
  • 05/11/2019 08h46 - Atualizado em 05/11/2019 09h02
Jovem PanO governador de São Paulo foi entrevistado durante a estreia dos novos estúdios Jovem Pan

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB) afirmou, nesta terça-feira (5), que a capacidade de atuação do Primeiro Comando da Capital (PCC) diminuiu de forma bastante significativa no Estado desde o início do seu governo. Em entrevista ao Jornal da Manhã, durante a estreia dos novos estúdios da Jovem Pan, ele atribuiu a melhora na administração do problema à sua boa relação com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

“De fato, Sergio Moro tem sido um bom ministro. Desde dezembro tivemos conversas com eles e, graças ao nosso bom entendimento, em janeiro já colocamos 25 líderes do PCC em prisões federais, inclusive o intocável Marcola, que comandava o crime de um presídio estadual e hoje está isolado no federal. Agora, já são 29 líderes em presídios federais, e estamos nos encaminhando para o 30º, já que temos mais um que foi pego no Rio de Janeiro recentemente, está em São Paulo e agora vai para a prisão federal. Tudo devido ao bom entendimento nosso com o Moro e a Polícia Federal“, disse.

Ele explicou que alguns sub-líderes estão tentando trabalhar para assumir um cargo maior dentro da organização criminosa, mas que isso também já está sendo combatido. “Como os líderes todos estão em prisões federais, alguns subs estão tentando uma liderança, mas vagos pegá-los. O PCC não acabou, mas diminuiu bem sua orma e capacidade de articulação. Hoje, o PCC não é nem um décimo do que já foi em São Paulo”, garantiu.