Economistas entregam carta a Jereissati e cobram “postura para que PSDB volte às suas origens”

  • Por Jovem Pan
  • 04/08/2017 09h37
Impressionada com a repercussão da carta, Landau disse que a classe ficou satisfeita, “porque mostra que tem muita gente que espera do PSDB o mesmo que nós”

Um grupo de economistas ligados ao PSDB desde a fundação e que participou da elaboração e implantação do Plano Real lançou carta pedindo a refundação ética e programática da sigla. Além disso, também pediram o afastamento do Governo de Michel Temer e a reorganização para impedir que algum radical populista consiga chegar na frente na próxima eleição presidencial. A carta foi assinada por Edmar Bacha, Gustavo Franco, Elena Landau e Luiz Roberto Cunha e enviada ao presidente interino do PSDB, Tasso Jereissati.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, a economista Elena Landau, que comandou o programa de desestatização no Governo FHC, disse que a intenção da carta é cobrar uma “postura para que o PSDB volte às suas origens”. Impressionada com a repercussão da carta, Landau disse que a classe ficou satisfeita, “porque mostra que tem muita gente que espera do PSDB o mesmo que nós”.

“O PSDB não é mais aquele que tinha origem clara de programa, de respeito à coisa pública. De alguma forma, nos últimos dois meses, a prioridade fiscal ficou de lado. O presidente Tasso Jereissati falou bem. A gente não esperava tanto dos outros partidos, mais muito mais do PSDB”, disse Landau.

Segundo ela, o grupo de economistas nunca tem tanto destaque em eleições e sempre trabalha como em bastidores, nos programas econômicos do partido: “acho que agora o preconceito acabou depois do desastre dos governos petistas e acho que agora teremos mais espaço para ajudar”.

A carta menciona ainda uma cobrança por um comportamento ético e moral do Governo por parte do PSDB, e que o partido deve agir da mesma forma e olhar para dentro. “De fato a gente quer uma postura ética dentro do partido”, afirmou.

Candidato do partido em 2018

Para Elena Landau, Geraldo Alckmin, atual governador de São Paulo, é o candidato do partido declarado em 2018.

No entanto, ela não disse que o nome dele foi fruto de conversas dentro do partido: “eu não sei quem vai ser candidato do PSDB em 2018. Nem PT sabe o candidato dele. Só Bolsonaro e Ciro Gomes já são conhecidos como candidatos. Candidato no partido declarado no momento é Alckmin e não tenho certeza de que vamos perder a quinta eleição”.

Racha no partido

Sobre o suposto “racha” no partido, a economista Elena Landau ressaltou que partidos da base também votaram de forma distinta em alguns momentos: “a gente fica muito em cima da marca que o partido é dividido, mas têm muitos partidos divididos”.

Confira a entrevista completa: