Educação digital é um caminho sem volta, avalia presidente da Trevisan

  • Por Jovem Pan
  • 26/05/2020 08h52
PixabaySilveira ressalta que é importante desmistificar a ideia de que o ensino é prejudicado na modalidade à distância

O presidente da Trevisan Escola de Negócios, Vandyck Silveira, acredita que as adaptações para a educação digital serão mantidas após a pandemia da Covid-19. Em entrevista ao Jornal da Manhã desta terça-feira (26), ele explica como a instituição está observando as mudanças no ensino.

“Eu vejo a educação digital como sendo um caminho sem volta. O Brasil tem apenas 21% da população que tem nível superior completo, nos países europeus gira em torno de 85%. A educação digital de alta qualidade é única maneira que a gente vai conseguir distribuir educação para pessoas de todos os níveis sociais com a qualidade aceitável ou superior. O que a gente tem que buscar na educação digital é a tradição dos cursos e o investimento na pedagogia.”

Vandyck conta que, na Trevisan, empresa que oferece opções de cursos nas áreas de finanças, administração e contabilidade, a transformação digital já estava em um processo bastante avançado, observando considerável aumento no número de alunos da modalidade à distância. Segundo ele, 25% dos 5 mil alunos estão matriculados em cursos digitais.

Silveira ressalta ainda que é importante desmistificar a ideia de que o ensino à distância é prejudicado. Para ele, a qualidade “é tão boa ou superior” e a interatividade entre aluno e professor depende de cada “desenho institucional”.

O presidente da Trevisan Escola de Negócios imagina que, pela crise, cerca de 25% das faculdades devem falir pela perda de alunos. Ele acredita que, após pandemia, vão surgir escolas que sejam “abrangentes em todo o país” e que ofereçam “educação de alta qualidade a preços que [os alunos] consigam estudar e cuidar das famílias”.