Eleição presidencial brasileira é destaque na imprensa europeia

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 26/09/2018 09h44
Elza Fiúza/ABrO Financial Times, da Inglaterra, por exemplo, publica nesta quarta-feira (26) um guia com perfil de cada um dos principais candidatos

A eleição presidencial brasileira segue com destaque na imprensa europeia – mais pelos contornos pitorescos de 2018 do que por qualquer outra coisa, na verdade.

O Financial Times, da Inglaterra, por exemplo, publica nesta quarta-feira (26) um guia com perfil de cada um dos principais candidatos.

O jornal afirma que a disputa está se tornando um cenário de pesadelo para os analistas de mercado. Esquerda contra extrema-direita numa votação que pode condenar o Brasil para outros quatro anos de uma terrível briga política.

Investidores estão cada vez mais preocupados com a possibilidade de eleição de um presidente que não quer ou que é incapaz de entregar as reformas que o país precisa para equilibrar as suas contas.

Sobre Jair Bolsonaro, o FT diz o seguinte: é um nacionalista de extrema-direita que promete manter uma agenda liberal econômica. Mas seu estilo político faz Donald Trump parecer gentil.

Na análise em relação a Fernando Haddad, o diário diz que o ex-prefeito de São Paulo herdou um quinhão considerável da popularidade de Lula, mas pode ver seu crescimento nas intenções de voto interrompido justamente pela associação ao ex-líder que está preso condenado por corrupção.

O Financial Times segue dizendo que Haddad é visto como conservador no aspecto fiscal e que tenta seduzir os eleitores do centro.

Ciro Gomes aparece na mesma reportagem como um centrista em assuntos macroeconômicos, mas que pode dar uma guinada à esquerda em questões como expansão dos gastos públicas.

Por fim, o jornal fala sobre Geraldo Alckmin como o favorito dos mercados, mas que está prestes a falhar em sua segunda tentativa de ser presidente; e apresenta Marina Silva como a ambientalista que já reuniu mais de 20 milhões de votos em eleições passadas, tem mais seguidores até que Jair Bolsonaro no tuíter, mas não conseguiu empolgar o eleitorado desta vez.

Ainda na Inglaterra, o The Guardian também destaca a adesão de artistas e intelectuais a campanha contra a candidatura de Jair Bolsonaro.

O jornal destaca Gilberto Gil, Camila Pitanga, Chico Buarque, Mano Brown, Milton Hatoum, Fernando Meirelles e Drauzio Varella entre os signatários do manifesto Democracia Sim e ainda destaca a repercussão nas redes sociais da #EleNão nos últimos dias.