Eleições na Espanha podem consolidar retomada do poder pela esquerda

O partido socialista do primeiro-ministro Pedro Sanchéz é tido como favorito

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 24/05/2019 09h14
PixabayNo domingo também haverá eleição para o parlamento europeu na Espanha

A Espanha vai ter mais uma rodada de eleições neste domingo (26) e ela está sendo tratada como uma espécie de segundo turno para consolidar a retomada do poder pela esquerda do país.

O partido socialista do primeiro-ministro Pedro Sanchéz é tido como favorito para levar a maioria das 12 regiões que vão eleger novos governantes. O principal destaque é para a região de Madri que pode acabar com a esquerda depois de passar 24 anos sob o comando do PP. Para colocar o feito em perspectiva seria como o PSDB perder a eleição para o governo de São Paulo, por exemplo.

A prefeitura da capital já está com os socialistas, no entanto, e as pesquisas indicam que a ex-juíza Manuela Carmena deve ser reeleita.

Em Barcelona, onde a cidade está tomada por propaganda eleitoral nas ruas até parecendo um pouco como se fazia no Brasil antigamente, a atual prefeita esquerdista, Ada Colau, ainda não tem sua reeleição garantida e as pesquisas indicam que ela pode acabar perdendo para o candidato separatista.

Mas todos esses resultados são relevantes no plano nacional porque o partido do primeiro-ministro não tem maioria no parlamento. E Pedro Sanchez pretende governar sem coalizão, com minoria mesmo, costurando acordos votação por votação.

A extrema-esquerda pressiona o primeiro-ministro por uma união, mas se de fato o partido socialista sair fortalecido nas votações regionais é muito provável que ele consiga manter o plano de governar sozinho.

E lembrando que no domingo também haverá eleição para o parlamento europeu na Espanha e o país é provavelmente o único entre os grandes da Europa em que a esquerda sairá vencedora e o populismo nacionalista não deve obter grandes resultados.