Em anúncio na TV, Theresa May anuncia que pedirá novo adiamento do Brexit

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 03/04/2019 08h35
EFEUma pesquisa divulgada nesta quarta-feira (03) revela que 64% dos britânicos acreditam que o Brexit está fazendo mal para a saúde mental da população

O Reino Unido vai adiar mais uma vez a separação da União Europeia. O anúncio foi feito nesta terça-feira (02) na TV pela primeira-ministra Theresa May. O Brexit era para ter sido consumado em 29 de março. Não foi. Agora estava previsto para ocorrer na sexta-feira da semana que vem (12). Não será.

May vai pedir um novo adiamento de curto prazo, que provavelmente será concedido até o dia 22 de maio pela União Europeia.

Theresa May fez o pronunciamento à noite depois de sete horas ininterruptas de reuniões com seu gabinete. Para ela, o debate e a divisão causados pelo Brexit não podem continuar por muito mais tempo.

A questão está colocando uma enorme pressão no parlamento e ferindo a democracia britânica, ela disse. May também anunciou uma nova reviravolta na questão e a possibilidade de um Brexit suave, que também pode ser chamado de Brexit de faz de conta, ganhou força.

A primeira-ministra chamou o líder da oposição para negociar deixando claro que agora ela aceita ceder. Só não se sabe quanto.

As conversas dos próximos dias podem levar a versão bem amena do divórcio fazendo com que na prática o Reino Unido continue próximo da União Europeia, como parte de um acordo aduaneiro, por exemplo. Se as conversas com os trabalhistas não progredirem nos próximos dias, May vai largar a bomba definitivamente nas mãos do Parlamento.

Ela avisou que aceita promover uma nova rodada de votações com alternativas para o Brexit – a diferença é que dessa vez ela se comprometerá a aceitar o resultado da casa. Em assim sendo, seguem todas as opções na mesa sem nenhuma solução.

Para que vocês tenham uma ideia de como andam os ânimos, uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira (03) revela que 64% dos britânicos acreditam que o Brexit está fazendo mal para a saúde mental da população. 83% disseram ainda que não aguentam mais ouvir falar sobre o assunto no noticiário. Imagine viver assim quase que 24 horas por dia. Todos os dias. Há três anos. É a realidade do Reino Unido – e de parte da Europa no momento.