Em “apresentação”, Netanyahu pressiona EUA a não renovarem acordo nuclear com Irã

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 01/05/2018 09h25
EFE/EPA/DAN BALILTYBenjamin Netanyahu armou uma apresentação bastante cintilante nesta segunda-feira (30) em Tel Aviv para apresentar provas de que o Irã tentou iludir a comunidade internacional

A espetacularização da diplomacia é um fenômeno intrigante e quase infantil que temos testemunhado nos últimos meses.

Não bastassem Donald Trump e seus rompantes nas redes sociais, agora o primeiro-ministro de Israel também parece afeito a um “showzinho”.

Benjamin Netanyahu armou uma apresentação bastante cintilante nesta segunda-feira (30) em Tel Aviv para apresentar provas de que o Irã tentou iludir a comunidade internacional e sempre buscou produzir armas nucleares.

Eram provas cenográficas, claro. Réplicas de dezenas de milhares de arquivos e CDs que os israelenses dizem ter obtido em um armazém em Teerã.

Discursando em inglês para as câmeras de televisão, Netanyahu sequer disfarçou sua verdadeira intenção: pressionar os Estados Unidos a não renovarem o acordo nuclear com o Irã.

Donald Trump já deu indícios claros de que irá se retirar do acordo assinado por Barack Obama, e que Israel nunca engoliu direito.

A questão é que o documento também foi assinado por China, Rússia, Alemanha, França e Grã-Bretanha. E todos reconhecem que o Irã está cumprindo a sua parte.

O acordo prevê que as sanções econômicas internacionais contra o Irã sejam suspensas. Em troca, o país abdica de seu programa de enriquecimento de urânio até 2025.

Mas nada impede que as tropas iranianas, por exemplo, estejam atuando na Síria e mantenham seu apoio ao Hezbollah, o que representa uma ameaça para Israel.

O fato é que se o acordo não é perfeito, ao menos é o que tem funcionado para evitar que um segundo estado tenha armas nucleares numa das regiões mais conturbadas do planeta.