Em convenção, DEM tenta se desvincular do centrão e aprovação moção de apoio à reforma

  • Por Jovem Pan
  • 31/05/2019 06h59
Gilmar Félix/Câmara dos DeputadosMaia disse que forma pejorativa de tratar Centrão enfraquece democracia

Buscando desvincular a imagem do Centrão, o Democratas realizou uma convenção nacional na Câmara. O partido, que tem os presidentes da Câmara e do Senado, além de três ministros no governo Bolsonaro, aprovou uma moção de apoio à reforma da Previdência.

No evento, o DEM reconduziu o prefeito de Salvador ACM Neto à presidência da legenda. Segundo ele, aprovar a PEC que muda as regras de aposentadoria é prioridade no momento.

“O partido todo vai se unir em torno da reforma da Previdência, é algo que queremos deixar claro pro Brasil, nosso compromisso é sobretudo com as reformas econômicas do país”, declarou ACM.

Apesar de declarar apoio às reformas encaminhadas pelo ministro da Economia Paulo Guedes, o DEM não integra formalmente a base aliada do governo. O presidente do partido, ACM Neto, fez críticas a uma parte dos aliados do Planalto, que segundo ele, perdem tempo com questões menos importantes.

“Quem tem preocupação com o andamento da agenda do país deve somar esforços e não utilizar redes sociais ou mesmo da Câmara ou Senado pra provocações. Às vezes, alguns aliados do governo perdem tempo com fogo amigo.”

Outro foco dos discursos da convenção foi desvincular a imagem do partido da do Centrão. Lideranças do Democratas repetiram, ao longo do evento, que a legenda tem posições firmes, independentemente da situação. O presidente da Câmara Rodrigo Maia criticou a forma como o grupo é tratado.

“A forma pejorativa que muitas vezes tratam o DEM e outros partidos é o caminho do enfraquecimento não desses partidos, mas da nossa democracia.”

Hoje, o DEM possui os ministros da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, da Saúde Luiz Mandetta e da Agricultura Tereza Cristina. O partido também conta com três governadores, 28 deputados e seis senadores.

*Com informações do repórter Levy Guimarães