Em encontro com Araújo, ministro francês diz que apoia entrada do Brasil na OCDE e que acordo com Mercosul terá ‘avaliação criteriosa’

  • Por Jovem Pan
  • 30/07/2019 07h09
Dammer Martins/MREErnesto Araújo e Jean-Yves Le Drian

O ministro francês dos Negócios Estrangeiros, Jean-Yves Le Drian, demonstrou apoio à entrada do Brasil na OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), o chamado clube dos países ricos, hoje com 36 membros. Ele se encontrou com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, no Palácio do Itamaraty.

Segundo o chanceler brasileiro, o processo de adesão do país ao grupo está acelerado. “Fiquei muito feliz de ouvir do ministro Le Drian que a França mantém  o seu apoio integral a adesão do Brasil à OCDE, uma adesão que precisa apenas de uma data, agora, para que o processo formal comece”, comemorou.

No encontro, os dois ministros trataram do acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia, firmado no mês passado, que ainda precisa ser confirmado pelos países-membros dos dois blocos. De acordo com Le Drian, na França, onde o acordo divide opiniões, será feita uma “avaliação nacional completa, independente e transparente” para determinar a posição das autoridades do país.

O presidente da França, Emmanuel Macron, já disse que só faz uma aliança com o Brasil caso o país se comprometa com o Acordo de Paris, com medidas para conter o aquecimento global. Durante o encontro do G20, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) sinalizou ao líder francês que vai cumprir o acordo.

O ministro Ernesto Araújo anunciou que Brasil e França vão criar um grupo de trabalho para para tratar da questão ambiental. “Nós concordamos em estabelecer um grupo de trabalho informal, mas com muita atenção, para trocar de maneira mais sistemática e profunda informações sobre a temática ambiental”, disse.

O ministro francês também disse que a França vai levar em conta outros critérios, como o respeito a normas sanitárias e a proteção a setores agrícolas considerados sensíveis no país europeu, Nesta segunda-feira (29), ele teria uma audiência com Bolsonaro, que foi cancelada por motivos de agenda do brasileiro.

*Com informações do repórter Levy Guimarães