Em gravação de 2014, Cristiane Brasil é flagrada cobrando votos de servidores públicos

  • Por Jovem Pan
  • 05/02/2018 06h55
Lúcio Bernardo Junior/Câmara dos Deputados“Se eu perder a eleição de deputada federal, eu preciso de 70 mil votos, no dia seguinte eu perco a Secretaria. No outro dia vocês perdem emprego”, disse

A deputada Federal Cristiane Brasil foi flagrada ameaçando servidores públicos para conseguir votos na campanha à Câmara, em 2014.

O programa Fantástico, da rede Globo, teve acesso ao áudio de uma reunião convocada pela parlamentar.

Na época ela era vereadora licenciada e ocupava a Secretaria Especial do Envelhecimento Saudável e da Qualidade de Vida na Prefeitura do Rio de Janeiro.

Cerca de 50 servidores públicos e prestadores de serviço da pasta foram chamados para o encontro com Cristiane Brasil.

Na gravação, a secretária cobra empenho da equipe para caçar votos: “se eu perder a eleição de deputada federal, eu preciso de 70 mil votos, no dia seguinte eu perco a Secretaria. No outro dia vocês perdem emprego”.

A gravação mostra ainda a deputada indicando como os funcionários poderiam conseguir votos: “Se cada um no âmbito familiar me trouxer 30 fidelizados, ‘pô, tu é minha mãe, se tu não votar nela, eu perco o emprego’. Olha que poder de convencimento essa frase tem. Para o marido, ‘meu querido, vai querer comprar minhas calcinhas? Então me ajude’”.

Em nota, a deputada disse que desconhece o áudio e que “jamais infringiu qualquer norma ética ou jurídica relacionada às eleições”. Também estava na reunião o deputado estadual, Marcus Vinícius, que pediu aos servidores que conseguissem votos. Os dois foram eleitos em 2014.

No sábado, o jornal “O Estado de São Paulo” revelou que Cristiane Brasil e Marcus Vinícius são alvos de um inquérito policial por suposta associação ao tráfico de drogas durante a disputa eleitoral de 2010.

A acusação é de que os dois tenham negociado com traficantes para fazer campanha no bairro de Cavalcanti, Zona Norte do Rio de Janeiro.

Como a deputada tem foro privilegiado, a investigação foi enviada na semana passada ao Ministério Público Federal.

No começo do ano, Cristiane Brasil foi indicada ao cargo de Ministra do Trabalho, mas a posse está suspensa pela Justiça.

*Informações da repórter Natacha Mazzaro