Em SP, ministro da Educação diz que ‘não falta gente’ querendo tirá-lo do cargo

  • Por Jovem Pan
  • 18/02/2020 06h25
Diego Rocha/MECWeintraub durante evento que entregou vans escolares em São Paulo

Em meio a um pedido de impeachment apresentado por parlamentares, o ministro da Educação afirmou que tem amigos para defender a permanência dele no cargo. Abraham Weintraub participou de um evento em São Paulo nesta segunda-feira para entregar cento e vinte ônibus escolares ao estado.

Os veículos vão atender mais de dez mil estudantes em cento e quinze cidades da zona rural paulista. O ministro aproveitou a ocasião para rebater as críticas que tem enfrentado na condução da pasta. No pedido de impeachment apresentado há duas semanas, deputados e senadores acusam o ministro de violação ao princípio de impessoalidade e quebra de decoro.

Weintraub considera que as contestações têm mais a ver com o estilo dele à frente do ministério. “Evidentemente, com esse meu jeitinho, não falta gente querendo me tirar de lá. Mas primeiro que eu sou cascudo, depois, eu tenho um monte de amigo me defendendo aqui e um monte de amigo me defendendo na internet”.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro também participou do evento. Em discurso, ele afirmou que existem deputados federais que fazem ativismo judicial. “O mundo não é como imaginam alguns deputados em Brasília, que insistem em derrubar o ministro, tentando utilizar argumentos esdrúxulos, fazendo ‘ativismo judicial.'”

No mesmo evento, o ministro a educação alfinetou a gestão do governador João Doria. Weintraub afirmou que a maior parte dos paulistas quer que o filho estude em um colégio cívico-militar. O modelo foi lançado no ano passado pelo presidente Jair Bolsonaro e não teve a adesão de onze governadores, incluindo a do tucano. Questionado sobre o assunto, o secretário da Educação, Rossieli Soares, afirmou que a decisão faz parte da autonomia do estado. “A gente não aderiu no prazo mesmo, tivemos uma série de dúvidas. Faz parte, não fizemos parte. É da autonomia do Estado fazer a construção das suas políticas. Sempre que puder seremos parceiros, mas nem tudo faremos.”

O ministro da educação fez questão de registrar nas redes sociais o compromisso desta segunda-feira na capital paulista. Weintraub escreveu palavras incorretas de propósito para divulgar a entrega de veículos, ironizando episódios anteriores em que ele, de fato, havia cometido erros de português.

* Com informações da repórter Nicole Fusco